quinta-feira, 27 de novembro de 2014

"Tempo e Pessoas"


Autoria:Karina Perussi
Andei pensando sobre “tempo” e “pessoas”.
Duas coisas inevitavelmente passageiras,
e cada qual acrescenta e tira um pouco da gente.
Queria entender o porquê.
Tempo não é palpável, é quase imperceptível, embora passe rápido.
Ele leva seus anos, sua vitalidade, às vezes sua esperança.
Traz indesejáveis rugas, mas também maturidade, experiência.
Traz e leva amigos, amores, familiares: pessoas.

Pessoas a gente toca, sente, ama ou odeia, odeia e ama ao mesmo tempo.
Há pessoas que chegam e acrescentam o que a gente não precisa, uma felicidade exagerada até.
Mas quando se vão levam tudo o que a gente tem, e nada nos resta, nem nós a nós mesmos.
Talvez deixem uma tristezinha, embrulhando um vazio lá no fundo.
Depois de muito tempo, é provável que uma única pessoa possa preencher o vazio deixado pelas outras.
Provável.
 Tempo e Pessoas.
Embora o segundo item seja “palpável”,
ambos são impossíveis de segurar:
o tempo é vento, pessoas são grãos de areia.
Há muito em comum entre eles, bem como o vento leva a areia para longe,
as pessoas se afastam com o tempo, são levadas por ele para caminhos distintos.
Já tentou apertar um pouco de areia com as mãos?
Pouco a pouco os grãos resvalam-se entre os dedos.
E quanto a nós?
Também voamos para outras praias, mas nunca esquecemos de onde viemos
e dos grãos de areia que já estiveram junto a nós, em outros caminhos.
E como você sabe, as dunas sempre mudam com o vento.
Sim, acredito que seja mais ou menos essa a lógica, se houver uma.
Daqui pra frente utilizarei essas metáforas,
principalmente quando precisar entender que pessoas seguem outros rumos
e que o tempo, o tempo é inexorável.

sábado, 22 de novembro de 2014

Foi só, ou foi tudo.


Autoria: Monike L. do blog De Vênus

'Será que três minutos pode durar para sempre?, 
eu me pergunto, mas já sabendo a resposta. 
Provavelmente não, respondo. 
Mas talvez durem tempo suficiente.' ~ Markus Zusak 

Era um daqueles dias, que você esta tão atrasada que pega qualquer roupa que aparecer pela frente. Pra falar a verdade ela nunca se importou muito com essas coisas, só de poder caminhar com seus livros em uma bela tarde azul, já estava bom.
Mas aquele dia ia ser diferente.
Não seria um dia comum.
Ela saiu correndo de casa.
Tinha que pegar seu irmão na escola e já estava 10minutos atrasada.
No caminho, o vento estava forte.
Adorava aquilo, andar com os olhos fechados, sentir a brisa dançando com seus cabelos,
ouvir a própria respiração acompanhando seus passos largos.
Mesmo não tendo tempo para isso, não havia como evitar, aquela sensação era viciante.
Quando estava dobrando a esquina se deu conta que tinha que correr,
seu irmão provavelmente já estava querendo mata-la.
Resolveu abrir os olhos e correr.
Tarde demais.
Um garoto de olhos castanho brilhantes estava andando de skate.
Dobrando a mesma esquina.
Atrasado e com olhos fechados (uma poeira acabará de entrar nos seus olhos, por causa da ventania). Um instante depois, eles e os livros estavam no chão.
Julia por sorte havia caído em cima de Thiago.
Levantou correndo sem nem mesmo olhar para o rapaz, foi apanhar seus livros.
Ele teve a mesma reação.
É fácil imaginar o que aconteceu depois, os dois pegando o mesmo livro.
Olhos nos olhos.
Respirações ofegantes.
E então eles foram pegos por aquela brisa suave, que os vez estremecer.
Aquela ventania foi a protagonista do dia, arrastando a pressa pra longe, trazendo arrepios e sentimentos desconhecidos ate então, proporcionando aquele perfume.
Que perfume!
Não sei dizer muito bem do que era.
Talvez a combinação dos dois.
Mais ou menos 40 segundos com um turbilhão de sentimentos.
 Eles saíram do “transi” e se levantaram.
E então ela disse já começando a andar:
- Desculpe, não tive intensão...
Estou atrasada. - Ela se foi.
Quando estava quase dobrando outra esquina, olhou para traz.
Ele ainda estava lá.
Olhando-a.
 Foi só, ou foi tudo.
 Segundos de levitação e de magia. 
Thiago não queria que aquela fosse a primeira e ultima vez a vê-la.
Mas o que poderia fazer? correr atras de uma desconhecida?
Poderia.
Mas não o fez.
Ele a chamou de moça dos cabelos esvoaçantes, pensou nela por um grande tempo,
um tempo ate grande de mais.
Mas foi só.
Ou foi tudo.
 Pelo menos durante aqueles segundos foi tudo.
E durante aquelas semanas foi quase.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

E ai ele chega...

Faz sete anos que nos conhecemos e ele ainda é o único que me faz rir sem nenhum
esforço,é só ele chegar com aquela cara de bobo,um sorriso que mais parece careta
e pronto,ele ganha o meu dia.
Tudo começou numa roda gigante onde por acaso ficamos sentados juntos,
eu morrendo de medo da altura e ele falando bobagem pra me fazer rir
e esquecer o medo,
E é assim até hoje de tempos em tempos ele aparece com um filme legal,uma
banda que se torna minha favorita,vem com aquele abraço caloroso,
vem como um velho amigo que já me viu nos piores momentos,
mas também vem como alguém que sabe me fazer ver estrelas só com um toque,
Não sei o que somos só sei que não somos somente amigos,mas também nunca
daríamos certo como um casal,vai entender.
Normalmente nos encontramos quando algum relacionamento não dá certo,e
normalmente acontece com os dois ao mesmo tempo,ele diz que somos intoleráveis
e que vivemos a melhor forma de amor, talvez seja,
o que sei é que ninguém me conhece tão bem,e eu não conheço ninguém
tão a fundo quanto ele.
Eu já não quero mais entender o que somos,também não faço planos já aprendi a
não criar muita expectativa com as coisas vou vivendo um dia por vez.
Hoje ele está aqui enrolados com minha manta favorita no meu sofá,contando
sobre a ultima viagem que fez,eu já visitei o mesmo lugar mas o jeito como ele
conta as histórias torna tudo mais incrível e ele adora ouvir minha rotina chata
regada por micos e confusões onde eu querendo ou não sempre me meto,
o que pra ele é motivo de horas de riso,e  que gargalhada gostosa ele tem,
Eu já nem me lembro do fim do meu relacionamento,afinal ele chegou...
Meu amor disfarçado de melhor amigo,meu eterno remédio pra dor.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Definitivo


Autoria:Martha Medeiros
Definitivo, como tudo o que é simples.
Nossa dor não advém das coisas vividas, 
mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram.
Sofremos por quê?
Porque automaticamente esquecemos o que foi desfrutado
e passamos a sofrer pelas nossas projeções irrealizadas,
por todas as cidades que gostaríamos de ter conhecido ao lado do nosso amor
e não conhecemos,
por todos os filhos que gostaríamos de ter tido junto e não tivemos,
por todos os shows e livros e silêncios que gostaríamos de ter compartilhado, 
e não compartilhamos.
Por todos os beijos cancelados, pela eternidade.
Sofremos não porque nosso trabalho é desgastante e paga pouco,
mas por todas as horas livres que deixamos de ter para ir ao cinema,
para conversar com um amigo, para nadar, para namorar.
Sofremos não porque nossa mãe é impaciente conosco,
mas por todos os momentos em que poderíamos estar confidenciando
a ela nossas mais profundas angústias se ela estivesse interessada em nos compreender.
Sofremos não porque nosso time perdeu, mas pela euforia sufocada.
Sofremos não porque envelhecemos, mas porque o futuro está sendo confiscado de nós,
impedindo assim que mil aventuras nos aconteçam,
todas aquelas com as quais sonhamos e nunca chegamos a experimentar.
Por que sofremos tanto por amor?
O certo seria a gente não sofrer, apenas agradecer por termos conhecido uma pessoa tão bacana,
que gerou em nós um sentimento intenso e que nos fez companhia por um tempo razoável,
um tempo feliz.
Como aliviar a dor do que não foi vivido?
A resposta é simples como um verso:
Se iludindo menos e vivendo mais!!!
A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está
no amor que não damos, nas forças que não usamos,
na prudência egoísta que nada arrisca,
e que, esquivando-se do sofrimento,perdemos também a felicidade.
A dor é inevitável.
O sofrimento é opcional...

domingo, 16 de novembro de 2014

Uma carta pra te fazer lembrar


Para a garota mais teimosa,falante e viciada por café que  eu já conheci e com que 
tomei meus melhores expressos.

Olho pra você todos os dias da minha mesa de escritório que por sorte do destino
tem uma visão excelente da sua mesa,acho que você nunca reparou,mas meu passatempo
favorito é te observar.
Você com seu ar de concentrada,arrumando o cabelo involuntariamente e as vezes mordendo
a tampa da caneta,raramente ergue a cabeça do seu trabalho e lança um leve sorriso pra
quem estiver passando,notei também que sua cor favorita é o roxo e que gosta de uma
das minhas bandas favoritas e as vezes se perde em seus pensamentos como se estivesse
a quilômetros daqui e eu queria saber onde você vai nesses momentos,bom tudo isso
eu observo.
Uns dias atrás na sala do cafezinho eu descobri que seu namorado te deixou,sabe como é
as pessoas falam de mais e isso me fez entender o seu olhar cabisbaixo,a escassez de sorrisos,
muitos ainda não notaram mas eu notei porque tudo que se refere a você me importa.
E eu queria mudar essa situação,te lembrar como é bom sorrir todos os seis tipos de
sorriso que eu sei que você tem,queria te lembrar o quão divertida você e inteligente,
sempre tão gentil com todos a sua volta,
queria te lembrar do quanto é linda porque você parece realmente não perceber
e de como seus olhos podem ser hipnóticos quando decide debater com alguém
sobre suas ideias
Eu sei que é difícil lembrar agora que seu coração está ferido,mas esse é o trabalho
que eu gostaria de ter para o resto da vida..te lembrar.
Lembrar da maravilha de ser você e das pessoas que te amam pelo seu jeito
Me deixa te lembrar como é ser amada de verdade.

Do idiota que passa a maior parte do tempo pensando em como roubar um
sorriso seu.

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Trecho de um livro ''A culpa é das estrelas''


"— Estou apaixonado por você — ele disse, baixinho.
 — Augustus — falei.
 — Eu estou — ele disse, me encarando, e pude ver os cantos dos seus olhos se enrugando.
 — Estou apaixonado por você e não quero me negar o simples prazer de compartilhar algo verdadeiro.
Estou apaixonado por você, e sei que o amor é apenas um grito no vácuo,
e que o esquecimento é inevitável, e que estamos todos condenados ao fim,
e que haverá um dia em que tudo o que fizemos voltará ao pó,
e sei que o sol vai engolir a única
Terra que podemos chamar de nossa,
e eu estou apaixonado por você." (Pág. 142) —

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Não dá mais para ocupar o mesmo espaço.


Autoria:Fernanda Mello
"Ela também teve seu coração machucado.
Dilacerado, imagino.
Normal.
Desse mal, meu bem, ninguém escapa.
Mas o bom disso tudo é que agora consigo abrir meu coração sem rodeios.
Sim, amei sem limites.
Dei meu coração de bandeja.
Sim, sonhei com casinhas, jardins e filhos lindos correndo atrás de mim.
Mas tudo está bem agora,
eu digo: agora.
Houve uma mudança de planos e eu me sinto incrivelmente leve e feliz.
Descobri tantas coisas.
Tantas,
Tantas.
Existe tanta coisa mais importante nessa vida que sofrer por amor.
Que viver um amor.
Tantos amigos.
Tantos lugares.
Tantas frases e livros e sentidos.
Tantas pessoas novas.
Indo.
Vindo.
Tenho só um mundo pela frente.
E olhe pra ele. Olhe o mundo!
É tão pequeno diante de tudo o que sinto.
Sofrer dói.
Dói e não é pouco.
Mas faz um bem danado depois que passa.
Descobri, ou melhor, aceitei:
eu nunca vou esquecer o amor da minha vida.
Nunca.
Mas agora, com sua licença.
Não dá mais para ocupar o mesmo espaço.
 Meu tempo não se mede em relógios.
 E a vida lá fora, me chama!"

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

10 itens de decoração apaixonantes!

O quarto dos sonhos quem não deseja ter um não é?
aqui vão algumas coisas lindas que achei por ai pra te inspirar
porque me inspirou viu?rs

1-Eu não sei se é adesivo de parede ou papel de parede mesmo,mas adorei!

2-Já imagino essa estante no meu quarto...

3-Amo coisas vintage e essa penteadeira então <3 b="">

4-O varalzinho de fotos deu outra cara nessa prateleira.

5-Meu abajur dos sonhos!

6-Vi em tantos lugares esse iluminação com pisca pisca,já estou quase entrando na onda.

7-Essa cabana charmosa também despertou meu interesse. 

8-Origamis na janela! 

9-Mural de fotos.

10-Esses espelhos deixa qualquer quarto mais romântico. 





sábado, 1 de novembro de 2014

Top 5 filmes de Kristen Stewart


Todo mundo conhece a Kristen Stewart como a Bela dos filmes
Crepúsculo mas aqui vão cinco filmes que provam que ela vai
muito além disso.

1-Welcome to the Rileys
Doug (James Gandolfini) e Lois (Melissa Leo) tiveram o casamento abalado devido a uma tragédia familiar, ocorrida anos atrás. Com o tempo, eles se distanciaram cada vez mais. Um dia Doug vai a Nova Orleans para participar de uma conferência e lá conhece Mallory (Kristen Stewart), uma jovem que trabalha em casas de striptease. Decidido a ajudá-la, Doug permanece na cidade. A situação logo provoca estranheza em Lois, que decide ir à cidade para encontrar o marido.

2-Doces encontros
A debilitada adolescente Georgia Kaminski (Kristen Stewart) se aproxima de Beagle Kimbrough (Aaron Stanford), vizinho que trabalha na cantina de seu colégio, e o relacionamento preocupa as duas famílias e revela histórias secretas.

3-Na natureza selvagem
Início da década de 90. Christopher McCandless (Emile Hirsch) é um jovem recém-formado, que decide viajar sem rumo pelos Estados Unidos em busca da liberdade. Durante sua jornada pela Dakota do Sul, Arizona e Califórnia ele conhece pessoas que mudam sua vida, assim como sua presença também modifica as delas. Até que, após dois anos na estrada, Christopher decide fazer a maior das viagens e partir rumo ao Alasca.

4-O silencio de melinda
Melinda Sordino (Kristen Stewart) entra no ensino médio confusa, deprimida e solitária. Por ter acionado a polícia durante uma festa, ela é rejeitada pelos colegas. O que eles não sabem é que ela foi estuprada na ocasião. O trauma complica seu relacionamento com os pais e ela encontra apoio no professor de artes (Steve Zahn), enquanto tenta seguir adiante.

5-The Runaways
Los Angeles, 1975. Joan Jett (Kristen Stewart) tinha o sonho de montar uma banda de rock, formada apenas por mulheres. Ela encontra apoio em Cherrie Currie (Dakota Fanning), que integra a banda, e no empresário Kim Fowley (Michael Shannon). Com ele as integrantes da banda The Runaways levam uma vida desajustada e, apesar de apresentarem um som cru, alcançam o sucesso graças ao talento de Joan e o visual sensual de Cherie.